Com certeza você já ouviu ditados populares como “quase sempre o barato sai caro”, “quando a esmola é demais o santo desconfia” ou “nada vem de graça, quando vem, desconfie”. Apesar de antigos, eles seguem atuais e podem servir para ilustrar a relação entre os aplicativos gratuitos e o consumo muito maior de bateria, memória e dados de rede.

Por trás de amigáveis joguinhos e apps bem úteis, sem custos, existem algumas desconfortáveis e até irritantes compensações “invisíveis”, mascaradas por empresas e desenvolvedores.

Neste post vamos explicar porque alguns apps “consomem” mais o seu aparelho. Acompanhe aí:

Teoria comprovada

Um estudo realizado por pesquisadores da University of Southern California, Rochester Institute of Technology (RIT) e da Queen’s University, no Canadá, comprovou que aplicativos disponibilizados de forma gratuita consomem mais do pacote de dados, da memória e da bateria de tablets e smartphones quando comparados com suas versões pagas.

Esse consumo superior é o “preço cobrado” por empresas e desenvolvedores para exibir propagandas e anúncios, em formato de banners ou em tela cheia, nos seus aplicativos.

Os impactos de alguns apps nos dispositivos

Durante o levantamento que comparou entre janeiro e agosto de 2014 os 21 principais aplicativos, entre 30 categorias, disponíveis na Google Play, os pesquisadores descobriram que os apps sem custos drenam, em média, 16% mais energia dos dispositivos que suas versões cobradas, o que pode equivaler a até duas horas e meia de bateria. Alguns chegam a consumir até 33% da carga.

Os aplicativos com anúncios também exigem 22% a mais da memória dos aparelhos e tornam a Central Processing Unit (CPU), ou a Unidade Central de Processamento, em média, 48% mais lenta do que o normal.

Como as propagandas são baixadas juntamente com os apps, esse “pacote” demanda cerca de 79% a mais do plano de rede, consumindo com uma rapidez avassaladora os dados contratados por sua conexão 3G ou 4G. Em alguns casos, esse consumo chega aos 100% e pode custar cerca de 1,7 centavos toda vez que são utilizados.

Os serviços de localização também foram pesquisados e constatou-se que quando são ativados coletam informações em segundo plano das proximidades do local em que você está, geralmente sem que você perceba, para personalizar os anúncios que serão exibidos pelos aplicativos, consumindo assim vida útil e tarifas de seu plano.

Baixa qualificação do aplicativo

Mas não pense que esses “abusos” não têm consequências. Ainda de acordo com a pesquisa, as irritantes e constantes propagandas rendem notas menores aos aplicativos durante as avaliações realizadas pelos usuários e, quanto mais baixas essas notas, menos atrativos são considerados os apps.

Por isso, os responsáveis pela pesquisa esperam que os desenvolvedores de aplicativos tomem conhecimento do estudo e do desconforto provocado pelos anúncios para que isso sirva de alerta para empresas e profissionais.

E você leitor, já tinha percebido essa diferença? Acha um absurdo essas compensações invisíveis ou uma contrapartida válida por um produto gratuito? Deixe seu comentário abaixo e continue acompanhando nosso blog para saber mais sobre esses e outros assuntos. Até a próxima!