Por que comprar? O que comprar? Como comprar? De quem comprar? Como usar? Como descartar? As seis perguntas do consumo consciente, elaboradas pelo Instituto Akatu, e citadas pelo especialista em sustentabilidade Marcus Nakagawa em sua conversa com o Blog da Trocafone, conscientizam sobre nosso poder de transformar a sociedade, a economia e o meio ambiente e são um bom ponto de partida para repensarmos o mundo a partir de nossas escolhas. 

Professor da ESPM, coordenador do Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental (CEDS) e TEDx Countdown Speaker, Nakagawa acredita que é possível alcançar uma vida mais sustentável em todas as esferas da sociedade. “Todos podem praticar a sustentabilidade no seu dia a dia com ações simples e práticas”, conta. “Basta termos mais mobilização, notícias, entrevistas, artigos, ou seja, precisamos comunicar mais sobre o tema e educar mais pessoas para a sustentabilidade”.

No livro “101 Dias com Ações Mais Sustentáveis” (Ed. Labrador, 2018), ganhador do prêmio Jabuti na categoria “Economia Criativa”, ele indica atitudes pequenas e fáceis de serem executadas, inclusive ao lado de amigos e da família, para incorporar um estilo de vida em sintonia com o planeta terra. 

Em nosso bate-papo, o especialista explica conceitos-chave sobre o universo da sustentabilidade e ressalta a importância de fazermos decisões mais conscientes na hora de consumir. Perdeu nossa última entrevista? Confira aqui a conversa com o documentarista Leonardo Brant, autor do do “Descarte”.

O que é a economia circular

Economia circular é uma nova maneira de pensar contrapondo a economia atual linear que tem a extração, transformação, venda e descarte. A ideia agora é pensar desde o design de um produto, a sua produção, disposição na gôndola, a venda e o final dela voltando para ser reutilizada de alguma forma. É um pensamento circular que busque não mais extrair e aproveitar o máximo dos insumos já extraídos, até chegar ao lixo zero ou resíduo zero.

O que é upcycling? Por que o mundo está mais envolvido com este tema?
É a forma de transformar um produto já existente e agregar valor a esta transformação. O mundo da moda e do design utiliza-se muito deste conceito dando “nova” vida aos materiais e produtos. O mundo está precisando de mais upcycling e modelos novos de negócios que busquem este conceito mais sustentável.

Em seu livro “101 Dias com Ações Mais Sustentáveis para Mudar o Mundo”, você sugere ações e atividades que desmistificam a ideia de que a sustentabilidade é algo difícil de ser alcançado. Acha que, no geral, as pessoas ainda veem o tema com ceticismo?

Sim, num mundo cada dia mais polarizado em que as verdades estão nos memes e não na ciência, é fundamental fortalecer o movimento do desenvolvimento sustentável e mostrar que ações simples como reciclar, ajudar um amigo, ser mais ético, comprar produtos mais sustentáveis, economizar água e energia etc., são fáceis de fazer. Basta colocarmos no nosso dia a dia como escovar o dente ou tomar banho ou almoçar. Tudo passa de trazer para um hábito do dia a dia.


O que é o consumo consciente? Como fazer para mudarmos nosso comportamento?

Consumo consciente é a forma de utilizar e comprar produtos e serviços não só pelo preço ou pelo benefício final. Mas sim levar em consideração as questões sociais e ambientais e os valores éticos. O instituto Akatu de Consumo Consciente coloca 6 perguntas importantes para serem feitas antes de comprar ou consumir qualquer coisa que são: Por que comprar? O que comprar? Como comprar? De quem comprar? Como usar? Como descartar? Perguntas fundamentais para as pessoas podem refletir antes de agir.


Acha que no Brasil a sustentabilidade sempre será um universo distante da maioria da população ou uma questão que pode estar presente em todas as esferas na sociedade?

Sim, podemos ter em todas as esferas e “bolhas” da sociedade.Todos podem praticar a sustentabilidade no seu dia a dia com ações simples e práticas. Basta termos mais mobilização, notícias, entrevistas, artigos, ou seja, precisamos comunicar mais sobre o tema e educar mais pessoas para a sustentabilidade. 

Como professor, você tem notado um interesse maior por temas ligados à sustentabilidade nos últimos anos? 

Sim, é evidente que as gerações mais novas estão trazendo a temática para o seu dia a dia. E isso quem diz são as pesquisas, como exemplo a pesquisa da McKinsey Brazil 2020 que mostra que 84% da geração Z parou de comprar produtos de empresas que estão envolvidas com escândalos éticos, sociais ou ambientais. 

Por que a escassez de recursos naturais é um problema para a sociedade?

Os recursos naturais são a base para a sobrevida humana. Dependemos da água para sobreviver, do solo para produzir nosso alimento, do ar para respirar e de muitos outros recursos que até poucas décadas não estava claro para todos que eram finitos, ou seja, que podiam acabar. Agora cada dia mais estamos vendo que muitos dos recursos que vem da natureza estão se esgotando ou já tem cientistas apresentando a data final destes. Alguns estudos apontam que 1/3 já foi consumido do planeta Terra. E neste modelo que continuamos de extração e consumo o Planeta não aguentará.


O que nos faz mudar de telefone celular com tanta frequência, isso é realmente necessário? 

Este questionamento é muito importante e precisamos pensar como o Instituto Akatu mostra com as 6 perguntas do consumo consciente. Se for o momento da troca, o importante é saber o que você fará com o seu celular antigo, se venderá, doará ou destinará corretamente este produto. Temos que manter a ideia da economia circular também para os celulares.


Quais os riscos de descartar o celular antigo de forma errada?

Os celulares, assim como muitos equipamentos eletroeletrônicos, possuem placas e elementos químicos que são prejudiciais às pessoas e ao solo no seu momento final de vida. Além do mau uso que pode acarretar outros problemas sérios à saúde.

No Brasil, o índice de reparabilidade é algo que só existe para veículos, mas é um avanço que já está presente em outros países para outros tipos de produtos. Acredita que esse índice é benéfico?

Precisamos trabalhar com a indústria e o varejo para buscarmos modelos em que a obsolescência programada seja amenizada, e um dia até parada, pois este modelo não consegue mais se sustentar. A reparabilidade é uma das formas que até o slow movement vem trabalhando. Para podermos reaproveitar e reparar os produtos é necessário um incentivo, muita educação para o consumidor e apoio governamental.


Quais as vantagens de comprar um telefone recondicionado? Acha que essa é uma saída para o problema do lixo eletrônico?

Sim, existem vantagens econômicas, pois trará uma economia em dinheiro, tirará um resíduo que poderia estar em algum lugar (se não destinado corretamente) como numa floresta ou no mar e ainda dando oportunidade para quem não tem como comprar um produto caro adquirir este produto, o que gera uma inclusão. Tem que ser também uma saída, além da reciclagem de peças, destinação correta e educação para sustentabilidade.


Sabemos que o mundo pode melhorar. Mas de quem é essa responsabilidade: pessoas, governos, empresas?

A responsabilidade é de todos! Todos nós somos responsáveis por alguma parte do processo econômico e de consumo. Precisamos ter um objetivo em comum que é o nosso planeta e a sobrevida, inclusão e igualdade das pessoas. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU mostram 17 problemas comuns que temos como habitantes do planeta e precisamos resolver estes pontos. 

Você costuma comprar usados ou seminovos? Compraria um smartphone recondicionado?

Sim compro usado, seminovos e recondicionado. Inclusive incentivo meus alunos e alunas e toda a família para tal.