Dentre todas as tecnologias e avanços desenvolvidos para os smartphones, as câmeras são dos artigos que mais evoluíram e recebem atenção. Tudo seja feito para ajudar os usuários a conseguirem fotos de melhor qualidade.

Uma das funções adicionadas é a estabilização de imagem. Esta tecnologia tem como objetivo influenciar os movimentos que ocorrem ao usar a câmera. Portanto, existe, a estabilização óptica de imagem (OIS) e a estabilização eletrônica de imagem (EIS).

Para conhecer um pouco de cada um destes sistemas, acompanhem mais a seguir e veja como o recurso evita a distorção de imagens.

Estabilização Óptica (OIS)

A estabilização óptica é uma técnica mecânica e atua diretamente na formação da imagem. Devido aos sensores presentes no smartphone, o tempo de exposição (tempo que a luz leva para entrar na lente e atingir o sensor, produzindo a imagem) precisa ser maior. A OIS controla todo este caminho.

Para executar esse controle, sensores presentes na câmera, como o giroscópio, atuam entendendo os movimentos naturais e fazendo movimentos contrários no momento da captura. Na ação, o módulo da lente se move, graças aos motores eletromagnéticos e garante uma imagem precisa.

Alguns modelos premium já vem com o recurso de estabilização óptica.

 

Atualmente a Estabilização Óptica é vista nos aparelhos Premium. Entre eles temos:

Estabilização Digital (EIS)

A Estabilização Digital tem a sua função por meio do software e permite o processamento da imagem quando foi capturada.

Ao tirar uma foto ou fazer um vídeo, a câmera consegue reconhecer os padrões, translações e rotações. Isto permite que os movimentos não sejam intencionais, ou seja, o programa cria uma compensação e diminui o borrão.

A diferença da EIS para OIS é que a primeira não precisa de nenhum componente no hardware. Devido a isto, a estabilização é algo mais simples e não traz nem problemas no espaço do dispositivo.

Entretanto, ao final do processo ela compromete a qualidade da imagem exibida, como a diminuição da resolução e do tamanho do frame.
Além disso, o grande problema é que as imagens captadas podem chegar prejudicadas e o recurso não consegue alterar de forma suficiente.

EIS + OIS

Existem dispositivos que usam as duas tecnologias para um resultado mais satisfatório. Como exemplo, temos o Google Pixel 2 e o 2 XL. Eles ainda utilizam um terceiro recurso que é o aprendizado de máquina (machine learning). Neste caso, os dados de posicionamento da OIS e giroscópio são cruzados, e em cada frame é feita a análise para verificar a intenção dos movimentos.

O Google Pixel 2 reúne os dois tipos de estabilização de imagens

Entretanto, nenhum dos recursos faz milagres. O ideal é manter a câmera o mais imóvel possível, pois movimentos extremos não são removidos. Caso o objeto da foto também esteja em velocidade nem sempre os estabilizadores de imagem vão funcionar.

Agora que você conhece um pouco da estabilização óptica e estabilização digital, aproveite para usar o recurso na hora de tirar suas fotos!